diHITT - Notícias O Reino dos Bichos: Março 2010 BlogBlogs.Com.Br

sábado, 27 de março de 2010

Nas andanças pela net vi esta matéria,sobre a Aranha Marrom.



 Aranha-marrom. Essa espécie atinge de 3 a 4 centímetros, incluindo as pernas. Pode ser encontrada vivendo em teias irregulares que constrói entre materiais de construção, como telhas e tijolos. Apesar de essa espécie não ser agressiva, os acidentes com ela podem ser graves. Os primeiros sintomas de envenenamento são sensação de queimadura e formação de ferida no local da picada.
Achamos importante postar por prevenção,siga os cuidados postados ao final da page.
                                Brilhante matéria postada no site do Picarelli.

Entre as aranhas venenosas existentes no Brasil, a pequena aranha marrom, do gênero Loxosceles, é a mais comum. As fotos que ilustram essa matéria, revelam a evolução do ferimento causada por uma picada desse tipo de aranha.
O veneno da aranha marrom causa alterações na pele e alterações sistêmicas, que podem levar até a morte e recebe o nome de "Loxoscelismo".
Em virtude do desmatamento e redução dos seus predadores (lagartixa, galinha e sapo), ela adquiriu hábitos urbanos e os acidentes aumentaram.
Curitiba, capital do Paraná, é a cidade no Brasil onde há maior número destes acidentes. Em 1986, foram notificados 92 casos, e o aumento foi progressivo, até que no ano 2000 foram notificados 2102 casos, com algumas mortes também registradas.

Ferimento após 3 dias...
Comportamento
Essas aranhas não são agressivas e só reagem quando sentem ameaçadas, causando a picada quando pressionadas contra o corpo.
Tanto o macho como a fêmea são venenosos. A maior incidência do acidente ocorre na primavera e verão.
Habitat
Elas habitam cascas de árvores, fenda de muros, paredes, forros , pilhas de tijolos, entulhos e dentro de roupas, sapatos e camas.
Alimentam-se de pequenos insetos, têm atividade maior noturna e se reproduzem com facilidade.

Ferimento após 4 dias
Como identificá-las?
Elas têm cor marrom amarelado ou castanho escuro, por isso são chamadas de aranha marrom. Tem o corpo pequeno, 8 a 15mm, pata de 8 a 30mm, pêlos curtos e escassos. Os machos têm o corpo mais delgado e as patas mais largas.
Como identificar o acidente por aranha marrom?
O fato destas aranhas ficarem escondidas nos calçados, roupas e cama facilita o acidente, que é indolor e só após 12 a 14 horas surge edema(inchaço), eritema(vermelhão), dor local em queimação com ou sem prurido(coceira), podendo surgir bolha e necrose (morte do tecido).
Edema de mãos, face, pés, longe do local da picada, boca seca, urina escura, oligúria (pouca urina), sonolência e mal estar são sinais de gravidade.

Ferimento após 5 dias...
O que fazer?
A primeira medida é procurar um serviço médico e informar se a aranha foi vista próximo ao local do acidente.
Como os primeiros sinais e sintomas surgem de 12 a 14 horas após a picada, é comum a procura por assistência médica após este período e dependendo do local e sintomas o tratamento pode ser feito com analgésicos, corticóide, soro antiaracnídeo e internação hospitalar.
Como os primeiros sinais e sintomas surgem de 12 a 14 horas após a picada, é comum a procura por assistência médica após este período e dependendo do local e sintomas o tratamento pode ser feito com analgésicos, corticóide, soro antiaracnídeo e internação hospitalar.

Ferimento após 6 dias...
Quais os fatores de risco?
Os fatores de maior risco de complicações são:
  • crianças e idosos
  • pessoas desnutridas
  • pessoas em tratamento quimioterápico
  • tempo entre o acidente e o atendimento médico
  • quantidade do veneno inoculado
  • local do corpo atingido, como abdome e coxas

Ferimento após 9 dias...
Tratamento
O tratamento é baseado na gravidade da lesão, que por sua vez é avaliado conforme os seguintes critérios: no aspecto da lesão, local do corpo onde ocorreu, tempo de evolução entre o acidente e o atendimento, identificação da aranha marrom, idade do paciente, presença de doenças associadas e sintomas presentes.
O veneno da aranha causa necrose da pele (morte do tecido) e pode causar hemorragia de grau leve a grave, complicando com insuficiência renal, anemia aguda e morte.

Ferimento após 10 dias.
Prevenção
  • Observar roupas e calçados antes de vesti-los e roupas de cama e banho antes de usá-las.
  • Remover periodicamente quadros, painéis e objetos pendurados.
  • Vedar frestas, buracos na parede, assoalhos e forros.
Continue Reading...

sexta-feira, 26 de março de 2010

Lobos


Os lobos costumam viver em grupos organizados hierarquicamente. A natureza das matilhas de lobos está mais relacionada à ordem do que com a ferocidade.

A complexa dinâmica da matilha de lobos se assemelha mais à de uma turma de adolescentes que a um grupo de animais selvagens. É claro, eles ainda espreitam a presa, como alces ou coelhos e travam lutas ferozes uns com os outros, mas você vai descobrir que esses caninos obedecem a uma hierarquia de grupo incrivelmente sofisticada.

Os lobos se organizam naturalmente em matilhas para manter a estabilidade e ajudar na caçada. As matilhas são geralmente grupos de três a sete lobos liderados por um macho alfa e uma fêmea alfa - ou casal alfa . A partir daí, os filhotes do casal e possivelmente lobos mais jovens sem parentesco compõem o resto da matilha.


O líder da matilha não é necessariamente o macho alfa. A fêmea alfa pode liderar em certos grupos, uma vez que a classificação dos lobos se baseia na força e na capacidade de ganhar lutas. Embora outros lobos dentro da matilha possam copular quando as presas são abundantes, o casal alfa normalmente é o único a se acasalar. Várias lobas na mesma matilha podem, no entanto, causar problemas porque lutam umas com as outras com mais freqüência do que os machos.

O lobo beta vem a seguir. Eles atuam como o segundo em comando, tomando posse caso o macho alfa morra e possivelmente acasalando também com a fêmea alfa. Quando um alfa fica fraco ou muito velho para liderar a matilha de maneira eficaz, o lobo beta pode desafiá-lo para uma briga, depois da qual o vencedor assume o comando.

No degrau inferior da escada, está o lobo ômega, que é o mais fraco e com o qual a matilha menos se preocupa. Aviltado por outros membros, o lobo ômega recebe a violência da agressão no mundo dos lobos, particularmente durante brigas entre matilhas. Às vezes, esse antagonismo culmina no ponto em que o lobo ômega deixa a matilha e parte para viver isolado do grupo. Mas o lobo ômega também instiga a brincadeira entre os lobos para aliviar as tensões.
A lealdade e a devoção ao grupo mantém os lobos juntos como uma unidade, apesar da escassez de presas ou da violência. Por exemplo, enquanto os lobos alfa lideram, asseguram que todos os filhotes tenham seu suprimento de alimento antes que os outros ataquem.

Os lobos exibem sinais visíveis da força por meio de uma linguagem corporal singular. É possível dizer a posição do lobo na hierarquia da matilha simplesmente observando sua postura. Os lobos alfa se mantêm mais eretos com as caudas mais elevadas, enquanto os de grau inferior inclinam a cabeça em direção ao solo.

Até mesmo na hora de fazerem suas necessidades, essa diferença fica evidente. Um lobo ômega urina em posição agachada. Os machos alfa, por outro lado, urinam em pé com a perna levantada. Se um lobo dominante se aproxima de um mais submisso, este pode abaixar as orelhas, colocar a cauda entre as pernas ou mostrar sua garganta ou virilha para demonstrar subserviência. Ao saudar um membro dominante, o lobo de classe inferior pode lamber o focinho do outro.

Os lobos também são intensamente territoriais.
O território de uma matilha pode incluir centenas de quilômetros quadrados e invadir outro domínio podem iniciar uma confrontação bastante hostil [fonte: Mech and Boitani]. Como os lobos sabem onde seu território começa e onde termina? Seguindo seu olfato. Os lobos detectam cheiros 10 vezes melhor que cães domesticados e 100 vezes melhor que seres humanos . Duzentos milhões de células  nervosas olfativas dentro de seus focinhos detectam informações precisas sobre a origem dos cheiros e por quanto tempo estiveram lá.

Os lobos sinalizam com o cheiro urinando em alvos sobre o solo, como um tronco de árvore por exemplo. Isso indica aos intrusos que estão cruzando fronteiras e fornece aos lobos postos de sinais olfativos para ajudar a navegação. Defecar também libera hormônios e deixa indicadores visuais de território. Além disso, os lobos arranham as áreas marcadas para adicionar outra camada de cheiro [fonte: Mech and Boitani].

Fonte: Agradecimentos ao site Howstuffworks fonte desta postagem...
Muitas coisas interessantes podem ser vistas por lá o link é:
http://ciencia.hsw.uol.com.br/curiosidades-mundo-animal.htm
Continue Reading...

quarta-feira, 24 de março de 2010

Arminho

O arminho  (Mustela erminea) é um carnívoro mustelídio de pequeno porte pertencente ao grupo das doninhas  (Mustela spp.). A espécie ocupa todas as florestas temperadas, árticas e sub-árticas da Europa,Ásia e América do Norte. Há 38 sub-espécies de arminho, classificadas de acordo com a distribuição geográfica. O arminho não corre de momento qualquer risco de extinção, mas algumas populações estão ameaçadas sobretudo por perda de habitat.

é um dos menores membros da ordem Carnivora. Os machos podem medir até 33 cm de comprimento e cerca de 120 gramas de peso; as fêmeas são bastante menores, com metade deste tamanho. O corpo é longilíneo, de patas curtas, e termina numa cauda comprida que pode atingir cerca de 40% do comprimento total. O pescoço é relativamente longo e termina numa cabeça pequena e triangular, com orelhas arredondadas e bigodes compridos. A pelagem do arminho varia de acordo com a estação: na Primavera e Verão este animal é castanho chocolate no dorso, com a barriga branca-amarelada; no Outono e Inverno a pelagem torna-se mais espessa e completamente branca. Uma das características da espécie é a ponta da cauda, sempre de cor negra.
O arminho é um predador solitário que prefere caçar durante a noite ou no crepúsculo, movendo-se rapidamente em ziguezagues. Podem percorrer cerca de 15 km numa única noite. As suas presas preferenciais são pequenos roedores,insetos,anfíbios, pequenas aves e frequentemente os seus ovos e juvenis. São excelentes trepadores de árvores e bons nadadores, podendo também caçar peixes ou crustáceos, se as habituais fontes de alimento estiverem indisponíveis. Uma das suas vantagens é a capacidade, conferida pelo seu diminuto tamanho, de perseguir as presas dentro de tocas. O arminho tem que comer várias vezes por dia para responder às necessidades do seu metabolismo rápido e passa grande parte do seu tempo a caçar. É também conhecido o seu hábito de guardar restos de refeições em tocas ou buracos de árvore, para consumir mais tarde. As presas são normalmente mortas com uma dentada no pescoço. O arminho ocupa uma posição intermédia na cadeia alimentar e é presa de outros animais como raposas,martas e aves de rapina.

A época de reprodução é anual e começa no fim da Primavera, princípio do Verão. Os arminhos são polígamos oportunísticos e acasalam várias vezes ao longo da estação. A gestação é relativamente muito longa para um animal tão pequeno e dura cerca de nove meses, devido ao atraso propositado da implantação dos óvulos no útero até à Primavera seguinte. As crias nascem por volta de Março em ninhos construídos pelas fêmeas em tocas ou buracos de árvore. Cada ninhada tem em média entre 4 a 9 filhotes, que nascem cegos e cobertos de uma penugem branca. O crescimento é bastante rápido e com oito semanas os arminhos são já independentes. As fêmeas atingem a maturidade sexual de imediato e normalmente acasalam na época de reprodução seguinte. Os machos demoram mais tempo a crescer e tornam-se adultos ao fim de um ano.
Os arminhos sofrem frequentemente de uma infestação parasítica causada pelo nemátodo Skrjabingylus nasicola, que ocupa a zona nasal e em muitos casos causa a morte do hospedeiro.

Relação com o Homem

O principal interesse do Homem nos arminhos é a sua pele, especialmente a pelagem branca de Inverno, que é considerada bastante valiosa pelo menos desde a Idade Média. Por este motivo, o arminho foi e continua a ser morto em grandes números, através de armadilhas ou, recentemente, em quintas onde é criado para esse mesmo efeito. A pele do arminho é aproveitada sobretudo para golas ou bordaduras de mantos e casacos. Na França, esta pele era vista como um símbolo de realeza e é comum os monarcas aparecerem representados com mantos de arminho, tipicamente brancos com o ponteado de negro que corresponde às caudas. No Reino Unido a roupagem tradicional dos membros da Casa dos Lordes inclui uma gola de pele de arminho, que hoje em dia é substituída por um equivalente artificial.
A voracidade e eficiência do arminho como predador de pequenos mamíferos chamou a atenção humana para outras possíveis aplicações da espécie que foi, por isso, introduzida na Nova Zelândia com o objectivo de controlar as populações de coelhos , que estavam a danificar os ecossistemas nativos. Infelizmente, a ideia foi um desastre pois os arminhos, em vez de caçar os coelhos, preferiram atacar os ninhos de aves nativas como o Kakapo e Kiwi , que não tinham qualquer experiência contra estes ataques.

Heráldica e simbolismo

O arminho, talvez devido à sua aparência simpática e pelagem valiosa, tem estimulado a imaginação do Homem. NoJapão é considerado um símbolo de boa sorte e na Europa medieval e renascentista era visto como símbolo de pureza. As representações alegóricas de arminhos na Europa incluem frequentemente o motto latino Malo Mori Quam Foedari, que se pode traduzir como Antes a morte que a desonra, numa alusão à suposta preferência do animal pela morte quando deparado com a possibilidade de sujar a sua pelagem. Alguns exemplos conhecidos de arminhos enquanto símbolos de pureza incluem um quadro de Leonardo da Vici e um retrato de Isabel da Inglaterra, onde a rainha-virgem aparece representada com um arminho no colo.
Outra alusão à pelagem dos arminhos encontra-se naheráldica, numa pele conhecido como ponto de arminho, representada através de um campo branco decorado com elaborados ponteados negros. As variantes aceite são o contra-arminho, onde o ponteado é branco num campo negro, e o erminois onde o campo é dourado.
Os pontos de arminho faziam parte do brasão dos Duques da Bretanha e é ainda hoje em dia parte da bandeira oficial da Bretanha.
Continue Reading...

segunda-feira, 22 de março de 2010

Descontração total,Valeu galerinha.....

Algumas imagens enviadas por  internautas.
Continue Reading...

Um gato sobreviveu um mês dentro do frigorifico!

Acredite você ou não é verdade em Northamptonshire, no sul da Inglaterra um gato sobreviveu um mês dentro de um frigorifico.
O bichano de um ano de idade ficou um mês trancado e foi resgatado pela sociedade protetora dos animais da Inglaterra a RSPCA.
Frosty  apelido dado carinhosamente ao bichano sobreviveu à baixa temperatura de -2° C. Só conseguiu permanecer vivo porque comeu – durante todas as quatro semanas – ervilhas congeladas.
O jornal Daily Mail  informou que Frosty( Geladinho) teve seu rabo amputado devido a baixa temperatura.
 Segundo a assessoria de imprensa da empresa responsável pela câmara  o gato já havia sido avistado algumas vezes. Ele não foi resgatado porque costumava se esconder sempre que notava a presença de alguém.
Continue Reading...

terça-feira, 9 de março de 2010

Algumas imagens que vão fazer você refletir melhor.

Também visitamos alguns perfis de Orkut e em alguns deles fica claro a conscientização de alguns internautas.
Vai aqui o nosso abraço a Juliana que postou estas imagens.


Textos que perfuram nossas almas.

Valeu Ju........   Esta frase define bem o que queremos passar...Pense nisso.
Continue Reading...
 

Blogroll

Desmatamento leva a extinção de espécies.

Desmatar leva à destruição dos ecossistemas e à extinção das espécies que neles vivem. A Ciência identificou até hoje cerca de 1,4 milhões de espécies biológicas. Desconfia-se que devam existir mais de 30 milhões, ainda por identificar, a maior parte delas em regiões como as florestas tropicais úmidas. Calcula-se que desaparecem 100 espécies, a cada dia, por causa do desmatamento! http://www.poupetempo.com.br Este site trás informações para se adotar um animal.

O Reino dos Bichos Copyright © 2009 WoodMag is Designed by Ipietoon for Free Blogger Template