diHITT - Notícias O Reino dos Bichos: Novembro 2010 BlogBlogs.Com.Br

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Belos e venenosos.

                                                          Phyllobates Terribilis
             Ao ver esta imagem você deve pensar se tratar de mais uma rãzinha graciosa.

Olhe bem,não dá vontade de tocar?
Que dá...dá, mas não é possível e sabe por que?(Pois é até eu fiquei na dúvida aqui,é tanta forma de usar porque na língua portuguesa que a cabeça as vezes fica em parafusos,mas acertei,pois aqui significa por qual razão.. )....oh maravilha o blog também é cultura.

Por que  o veneno alcalóide desta rã, causa parada respiratória imediata e um único adulto do P.Terribilis tem homobatracotoxina suficiente para matar 20.000 cobaias ou 100 pessoas!
O site que serviu de base para esta matéria (Mundo Gump) menciona que  galinhas e cães morreram apenas ao entrar em contato com um papel toalha onde o sapo andou.
Este pássaro que a primeira vista parece inofensivo,também pode ser mortal é o Pitohui dichrous
Incrível mas o P. Terribilis, a homobatracotoxina é extremamente rara na natureza, só sendo encontrada em outros três sapos da Colômbia e dois pássaros venenosos de Papua, na Nova Guiné.
Na foto de Mark Chappel a dendrobates pumilio ou rã-flecha,outra bela venenosa.

Sabe-se também que embora esta defesa natural mate tudo que eventualmente o coma, o sapo tem como predador principal uma cobra Liophis epinephelus que é bem resistente ao seu veneno , mas não totalmente imune.
Então de onde provém este veneno encontrado neste sapinho?

O veneno alcalóide provém de insetos venenosos que fazem parte de sua dieta. Isso explica porque ao longo do tempo em cativeiro, o P. terribilis perde lentamente seu veneno. A criatura que transmite os alcalóides assassinos para a rã é um besouro da família Melyridae.
Para se ter uma idéia do poder letal do veneno deste pequeno besouro, dois décimos de micrograma desta toxina pode matar um humano em poucos minutos. Cada adulto contém 200 microgramas em sua pele.
Os índios pegam estas rãs com muito medo e passam as pontas das flexas nas costas delas. Depois de esfregadas, as flexas ficam letais por mais de dois anos. Assim, os índios pegam macacos e outros animais com mais facilidade. Para capturar a bizarra rãzinha, o índio tem que ser muito macho e usar uma folha de bananeira como luva de proteção.
Os médicos e laboratórios farmacêuticos estão estudando as moléculas da homobatracotoxina para encontrar um caminho para remédios mais potentes, como relaxantes musculares e anestésicos, uma vez que o veneno da rã teria potencial para dar origem a um anestésico bem mais potente que a morfina.
O P.Terribilis pode ter outras cores, como verde, branco e creme, além da versão amarelo-dourado aí da foto. Ele é encontrado na Colômbia, Bolívia, Equador, Brasil e por toda a área tropical da América do Sul, sobretudo na Amazônia, pois a rã vive em lugares úmidos e com muita chuva e calor.

Curiosidade:
O nome “batracotoxina” deriva do grego batrachos, que significa rã. As batracotoxinas (BTXs) foram descobertas em 1968-69 em extratos da pele de rãs da família Dendrobatidae do gênero Phyllobates provenientes das florestas tropicais do Oeste da Colômbia. Estas rãs são também conhecidas como “rãs dos dardos venenosos“ ou “rãs das setas venenosas”, porque os Índios nativos desta região das tribos Noanamá Chocó e Emberá utilizavam as secreções da pele destas rãs para fazer dardos venenosos. O uso do veneno das rãs para este fim é praticado apenas no Oeste Colombiano, onde vivem as espécies mais venenosas (Phyllobates terribilis, P.bicolor e P. aurotaenia, sendo a primeira a mais tóxica). No entanto, existem muitas outras espécies de “rãs dos dardos venenosos” menos tóxicas, que não são suficientemente venenosas para este uso, e que vivem nas florestas tropicais  do Sul da América Central e do Norte da América do Sul. 





A Pequena Rã-Flecha


Também conhecida como a "jóia da floresta tropical", essa pequena rã vive perto de água, no meio do húmus e dos limos, e também em ramos baixos. A atmosfera úmida da floresta tropical impede a pele dela de secar.
A rã venenosa vermelha e azul é agressiva e defende obstinadamente o seu território. Os machos é, as vezes, as fêmeas lutam com os intrusos, muitas vezes até a morte utilizando as possantes pernas traseiras. Elas raramente afastam do seu território.

Estas rãs, de cor viva e olhar apurado, alimentam-se de uma série de pequenos insetos, que capturam graças a sua língua comprida e viscosa. As rãs podem permanecer imóveis, esperando pacientemente até que sua presa esteja ao seu alcance. Só então lançam a sua língua retrátil e pegajosa para capturar a presa. A rã captura qualquer inseto que passe, e os que não são comestíveis são simplesmente cuspidos para longe.
Espero que tenham gostado....

Fontes desta matéria:Animalia/Mundo Gump/FFUP



Continue Reading...

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

DIA NACIONAL DOS RIOS


Não podíamos deichar de lembrar que hoje dia 24 de novembro é dia nacional dos rios.
E como tal  algumas belas imagens de rios.

Rio das Velhas

Rio São Francisco
Rio Araguaia
Continue Reading...

México e suas belas paisagens...Uma delas a península de Yucatan

 O México é sem duvida um dos países mais belos do mundo,com uma geografia peculiar.
Herança dos antigos povos que ali habitavam.
Com uma área total de 1,972,550 Km² o país é conhecido pelas belas paisagens que fundem o novo e o antigo com muito charme.






Pólos extremos de uma nação guerreira.
A Cidade do México é o centro econômico e político do país e  uma das maiores metrópoles do mundo sendo responsável por uma quinta parte do PIB nacional do México e é a cidade mais rica e populosa do país, com mais de 9,5 milhões de habitantes .
Com uma área total de 1,972,550 Km² o país é conhecido pelas belas paisagens que fundem o novo e o antigo com muito charme.
A área metropolitana da Cidade do México ocupa o 8º lugar das cidades mais ricas do mundo ao possuir um PIB de 315 bilhões de dólares que deve se duplicar até 2020, colocando-a em sétimo lugar e em 4º lugar no continente.

A Cidade do México foi fundada pelos Astecas e corresponde à antiga Tenochtitlán, que exerceu desde os tempos coloniais uma notável influência intelectual em toda a América espanhola. Nessa época, com mais de 250 mil habitantes, a cidade já figurava entre as maiores do mundo.
A cidade é moderna, com intensas movimentações financeiras e negócios de primeiro mundo, em grande parte influenciados pela fronteira com os Estados Unidos.




 A península de Iucatã ou Iucatão (do castelhano Yucatán) é a porção setentrional de mesoamérica, que divide o Golfo de México do Mar Caraíbas no extremo sudeste da América do Norte e a parte norte da América Central, com um território de aproximadamente 145,000 Km² sendo assim é com isso a grande península do continente americano que adentra ao oceano Atlântico na América Central, constituindo-se no extremo sudeste do território do atual México, a oeste da Cuba e a nordeste da Guatemala. Foi o berço de grandes civilizações pré-colombianas como a dos maias e dos olmecas.
Na maioria deste território, com excepção de parte-a sul e dos litorais, é terra caliza e dura, carente de rios e de montanhas importantes, na que a água, para voltar ao mar, rompe brecha no subsuelo uma vez atingido o manto freático, formando cavidades e aguadas interiores conhecidas como cenotes, que os antigos pobladores, os mayas, usaram como reserva vital da água.
Na porção norte do litoral, a uns 7 Km. ao oriente do Porto de Progresso (Yucatán)
Progresso, encontra-se uma pequena população veraniega e de pescadores chamada Chicxulub em onde se estima que caiu um aerolito gigantesco denominado Baptistina, faz 65 milhões de anos, que formou um cráter gigantesco de aproximadamente 180 Km. de diámetro e que teve entre outras consequências desastrosas, o desaparecimento dos dinossauros da face da terra.
Em parte-a nordeste da península, a mais calcárea, a que foi mais agreste, se cultivó desde tempos inmemoriales o henequén, planta originaria da região, e que desde mediados do século XIX deu origem a uma agroindustria, que por muitos anos foi a principal actividade económica peninsular.
A Conquista de Yucatán levada a cabo por Francisco de Montejo com ajuda de Alonso de Ávila, ambos experimentados ex capitães de Cortês, começou em 1527. Foi esta uma tarefa harto difícil. A primeira campanha realizada pelo oriente da península entre 1527 e 1529, bem como a segunda campanha, realizada pelo ocidente da península entre 1530 e 1535, foram repelidas pelas tribos mayas, quem em forma organizada atacaram as posições espanholas na cidade real de Chichén Itzá.
Francisco de Montejo quem tinha conseguido o título de "adiantado" para a península de Yucatán, também tinha interesses nas gobernaciones de Guatemala, Chiapas e Tabasco, os quais distraíram sua atenção durante cinco anos, pelo que suspendeu as actividades de conquista entre 1535 e 1540.
Foram Francisco de Montejo e León "o Mozo" e Francisco de Montejo, o sobrinho quem conseguiram submeter pouco a pouco à cada uma das tribos mayas na cada jurisdição (Kuchkabal) dos ah Canul, tutul xiúes, cocomes, cheles, cupules, e outras em uma terceiro campanha que iniciou em 1540 e terminou em 1546.
Francisco de Montejo, reuniu-se com seu filho e sobrinho em San Francisco de Campeche em 1546 para exercer seu gobernación, mas uma nova rebelião das tribos mayas estalló coordenadamente na região, pelo que os Montejo tiveram que realizar um labor de reconquista em toda a zona oriental da península durante um ano mais, conseguindo seu objectivo em 1547.


As principais cidades da península

  • Yucatán: Mérida, ao noroeste da península
  • Quintana Roo: Cancún, no noroeste da península sobre a costa do Caribe mexicano.
  • Campeche: San Francisco de Campeche, ao sudoeste da península, no golfo que leva seu nome.
  • Campeche: Ciudad del Carmen, no extremo sudoeste. Na ilha com o mesmo nome.
  • Quintana Roo: Chetumal, ao extremo sureste de la península en el litoral caribeño.
  • Quintana Roo: Playa del Carmen, ao sul de Cancún, no litoral do Caribe.
  • Yucatán: Tizimín, na região ao noroeste do Estado de Yucatán.
  • Yucatán: Valladolid, na zona oriental do Estado de Yucatán.
  • Yucatán: Puerto Progreso, no litoral do Golfo, 30 km ao norte de Mérida.
  • Yucatán: Izamal, Uma das cidades mais antiguas da península, 70 km ao oriente de Mérida.
  • Campeche: Champotón, no sudoeste da península, ao sur de San Francisco de Campeche.
 Que tal conhecer a grande fortaleza?

Chichén Itzá
Entre as construções maias remanescentes do sítio arqueológico de Chichén Itzá, na península de Yucatán, está a pirâmide de degraus provavelmente também utilizada para fins ritualísticos. 

Fundada por volta de 514 a.C, a cidade de Chichén Itzá foi abandonada em 670 e reconstruída 300 anos mais tarde, quando se tornou o centro da cultura maia e a cidade mais importante do nordeste de Yucátan.
Sua arquitetura denota influência tolteca, civilização mexicana anterior aos maias. "O Castelo" em Chichén Itzá, México, foi erguido em harmonia com o calendário Maia. 

São 91 degraus em cada um dos quatro lados, totalizando, portanto, 364 degraus. 


 Curiosidades:
Foram os mayas quem estabeleceram as primeiras cidades na península, ainda que possivelmente tenha tido habitantes e poblamientos prévios (ca. 8000AC) que parecem se demonstrar com descobertas paleontológicos (Lol-Tun) relativamente recentes. Com relação aos mayas sabe-se, no entanto, que os primeiros dentre eles baixaram do Petén, para instalar na região suroriental da península na zona de Bacalar, Quintana Roo e que o fizeram para o ano 250 DC. Foram os Chanes, povo ou tribo maya que antecedió aos Itzáes, quem mais tarde, para o ano 525DC começaram a se mover para o oriente da península, fundando Chichén Itzá, Izamal, Motul, Ek Balam, Ichcaanzihó, hoje a Cidade de Mérida e Champotón.
Mais adiante, teve outros grandes centros urbanos mayas em Yucatán, ainda que a cada cidade tinha autogoverno e força militar (com similar organização às polis gregas), todos se identificavam como mayas. Na península as três cidades principais foram, aparte de Chichén Itzá, Uxmal e Mayapán. Estas formaram a Une de Mayapán que era uma espécie de confederación para ter apoio mútuo quanto a comércio e defesa de suas fronteiras. O poder desenvolvido pelo Triplo Aliança durou pouco, pois Hunac Ceel Cauich, senhor de Mayapán, brigou e derrotou a Chac Xib Chac de Chichén-Itzá, quem fugiram e estabeleceram-se no lago Petén-Itzá, ao norte de Guatemala, segundo o relato do Chilam Balam de Chumayel.
Muitas cidades peninsulares actuais em sua origem foram localidades mayas: Mérida (Tho), Campeche (Akimpech), Chetumal (Chaktemal), etc. Do mesmo modo, muitos nomes actuais são herdados do povo maya aos yucatecos modernos: Canul, Cahuich, Cohuó, Pech, Chi, Ai, Pat, Ucán, Tzec, Yah, Ixba são apellidos que ainda se conservam em pleno século XXI e têm sua origem nos antigos mayas.



Fontes: Wikypédia/wikilingue/Mistérios Antigos
Continue Reading...

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Algumas imagens pra você curtir e se divertir.....

Continue Reading...

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Fath....Uma prova viva de como a fé e o amor transforma uma vida....

A cadela Fath nasceu na véspera do Natal de 2002.
Nasceu sem as duas patas dianteiras e foi rejeitada pela sua mãe e pelo seu primeiro dono que até pensou em sacrificar o animal.
Foi ai que entrou em sua vida Jude Stringfellow sua atual dona,que deu tudo o que faltava para a cachorrinha sobreviver....Muito amor e carinho...
Veja que linda História de Fé,amor e perseverança e se emocione...
Este mundo ainda tem jeito!


Continue Reading...

sábado, 13 de novembro de 2010

As maravilhosas Cegonhas


Você sabia que a Cegonha é fiel por toda a vida?
Sim é verdade a Cegonha Branca fica toda a sua vida com um mesmo parceiro.
Talvez por isso o nome desta ave em hebraico signifique "Alguém fiel" e isto não é um privilégio só do parceiro não,esta ave é fiel também as suas origens pois a maioria delas voltam aos seus ninhos ano após ano,logo que o inverno se vai.
O macho e a fêmea dividem a incubação e a alimentação dos filhotes numa dedicação extrema
A Cegonha e uma ave com uma envergadura de 95 a 105 cms de comprimento e uma beleza uniforme na forma com que voa com suave elegância. .
O seu habitat é variado e a alimentação inclui pequenos vertebrados. São animais migratórios e monogâmicos. As cegonhas não têm faringe e por isso não emitem sons vocais, emitem sons batendo com os bicos, actividade a que se dá o nome de gloterar.
As cegonhas vivem em locais como campos abertos, margens de lagos e lagoas, zonas pantanosas, prados húmidos, várzeas, cidades, pântanos e pastagens.
Comem rãs, cigarras, cobras, insetos, minhocas e peixes.
Os filhotes saem da casca na Primavera e quando chove a cegonha abre as asas para protegê-los. Põe cerca de 3 a 5 ovos, a sua incubação é de 20 a 30 dias, as crias são indefesas e penugentas.
Entre as espécies conhecidas estão:
Cegonha-de-abdim








Ciconia episcopus




Cegonha-de-storm
Ciconia maguari



Cegonha-branca-oriental

Cegonha-branca      
Cegonha-preta


Curiosidades sobre a Cegonha.

Na mitologia grega, Antígona, a irmã de Príamo gabou-se a Hera da beleza de seus cabelos, o que fez com que a deusa invejosa os transformasse em serpentes.
Zeus apiedando-se de Antígona, a transformou posteriormente em cegonha.

Curiosidade II

Em Portugal perto de Vila Nova de Mil fontes, existe uma praia chamada ninho da Cegonha é um dos lugares mais belos do Planeta.

Curiosidade III 
A lenda da Cegonha....

Há muitos anos atrás , na Antiga Grécia , havia uma ninfa que gostava muito de bebês . Ela era amiga de uma deusa que casou – se com um mortal e foi expulsa por Zeus , do Olimpo , por causa disto .
O problema é que por castigo de Zeus , esta mulher não poderia engravidar , embora este fosse seu maior sonho  . A ninfa soube desta história e resolveu procurar na Terra por um bebê abandonado . Esta criatura andou e caminhou bastante , mas não encontrou nada . Como estava cansada , ela decidiu nadar num rio da Grécia . Quando , de repente , ela viu uma cesta flutuando , onde se encontrava um neném . A ninfa não perdeu tempo e levou a criança até a deusa , que adotou o bebê .
Zeus ao saber disto ficou furioso e como castigo transformou a ninfa em cegonha .
Diz o mito  que a partir daquela dia , esta cegonha passou a encontrar bebês abandonados  para as mulheres que não podiam ter filhos .
O tempo se passou e esta lenda chegou até a antiga Escandinávia com algumas alterações . Lá , na época em que os bebês costumavam nascer em casa , as mães diziam aos filhos que as crianças foram trazidas pela cegonha , para justificarem o aparecimento repentino de um novo membro na família . Para explicar o descanso da mãe depois do parto e o quarto sujo de sangue , as mulheres falavam aos filhos que a cegonha tinha bicado as suas pernas .
Reza a lenda que quando uma cegonha faz ninho na chaminé de uma casa é sinal de que uma das mulheres ficará grávida logo .

A escolha da cegonha como símbolo foi devido a sua característica dócil e protetora, que dedica atenção especial e carinho às aves doentes ou mais velhas. Os antigos romanos criaram uma lei incentivando as crianças a cuidarem dos idosos, denominada Lex Ciconaria (Lei da Cegonha).
Além desse motivo, há o do fato das cegonhas costumarem fazer seu ninho ao lado da chaminé das casas e voltarem sempre para o mesmo lugar, para pôr ovos e cuidar dos filhotes. A mistura de generosidade e fidelidade ao ninho criou um símbolo perfeito. A lenda se espalhou pelo mundo no século XIX, através dos contos do escritor dinamarquês Hans Christian Andersen.

Agradecemos as fontes.....
Fontes:Wikipédia/Terceira dimensão/symbolom
Continue Reading...

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Arvores em extinção no nosso país....Você sabe quais?

Desde já agradecemos aos sites: www.estradas.com.br
www.arvores.brasil.nom.br  e Wikipédia



Segundo o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama), há diferentes estados de conservação para considerar uma espécie ameaçada de extinção: vulnerável, rara e em perigo. Árvores como pau-brasil, jequitibá, sapucaia, mogno, jatobá, jacarandá, imbuia, araucária, entre outros, estão nessa lista, dentro de uma das três classificações.

Todos os anos, no dia 21 de setembro, quando se comemora o Dia da Árvore, acontecem ações em todo o país para promover o plantio. O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente lançou a “Campanha 7 bilhões de árvores”, iniciativa mundial para que pessoas, iniciativa privada, governos e organizações não-governamentais (ONGs) plantem árvores e forneça os dados a fim de que a contagem seja feita. Há também ONGs que aceitam doações em dinheiro para plantio, bem como sites que, de acordo com o número de cliques dos visitantes, recebem verba de empresas.

Vamos falar um pouco das espécies em extinção e nesta postagem conheça a arvore que além ser simbolo ainda da nome ao nosso país,o Pau-Brasil
.

Pau-Brasil

Você sabia que o nome original da arvore que dá nome ao país é Ibirapitanga?
Que quer dizer...madeira vermelha.
O nome popular em português deriva da cor de brasa da resina vermelha contida na sua madeira.

A árvore alcança entre 10 e 15 metros de altura e possui tronco reto, com casca cor cinza-escuro, coberta de acúleos, especialmente nos ramos mais jovens.
As folhas são compostas bipinadas, de cor verde médio, brilhantes.
As flores nascem em racemos eretos próximo ao ápico dos ramos. Possuem 4 pétalas amarelas e uma menor vermelha, muito aromáticas; no centro encontram-se 10 estames e um pistilo com ovário súpero alongado.
Os frutos são vagens cobertas por longos e afiados espinhos, que devem protegê-los de pássaros indesejáveis, pois estes comeriam os frutos. Contém de 1 a 5 sementes discoides, de cor marrom. A torção do legume, ao liberar as sementes, ajuda a aumentar a distância da dispersão.
O município pernambucano de São Lourenço da Mata possui hoje a maior reserva nativa da espécie. A Reserva Tapacurá possui aproximadamente 100 mil pés de pau-brasil.
Afirmam alguns historiadores que o corte do pau-brasil para a obtenção de sua madeira e sua resina (extraída para uso como tintura em manufaturas de tecidos de alto luxo) foi a primeira atividade econômica dos colonos portugueses na recém-descoberta Terra de Santa Cruz, no século XVI e que a abundância desta árvore no meio a imensidão das florestas inexploráveis teria conferido à colônia o nome de Brasil.
Na realidade, no século XV uma árvore asiática semelhante, com o mesmo nome Brazil, já era usada para os mesmos fins e tinha alto valor na Europa, porém era escassa. Os navegadores portugueses que aqui aportaram imediatamente observaram a abundância da árvore pelo litoral e ao longo dos rios de planície. Em poucos anos, tornou-se alvo de muito lucrativo comércio e contrabando, inclusive com corsários franceses atacando navios portugueses. Foi uma das expedições de corsários liderada por Nicolas Durand de Villegaignon, em 1555, que estabeleceu uma colônia que hoje se chama Rio de Janeiro (a França Antarctica). A planta foi citada em Flora Brasiliensis por Carl Friedrich Philipp von Martius.
A resina vermelha era utilizada pela indústria têxtil europeia como uma alternativa aos corantes de origem terrosa e conferia aos tecidos uma cor de qualidade superior. Isto, aliado ao aproveitamento da madeira vermelha na marcenaria, criou uma demanda enorme no mercado, o que forçou uma rápida e devastadora "caça" ao pau-brasil nas matas brasileiras. Em pouco menos de um século, já não havia mais árvores suficientes para suprir a demanda, e a atividade econômica foi deixada de lado, embora espécimens continuassem a ser abatidos ocasionalmente para a utilização da madeira (até os dias de hoje, usada na confecção de arcos para violino e móveis finos).
O fim da caça ao pau-brasil não livrou a espécie do perigo de extinção. As atividades econômicas subsequentes, como o cultivo da cana-de-açúcar e do café, além do crescimento populacional, estiveram aliadas ao desmatamento da faixa litorânea, o que restringiu drasticamente o habitat natural desta espécie. Mas sob o comando do Imperador Dom Pedro II, vastas áreas de Mata Atlântica, principalmente no estado do Rio de Janeiro, foram recuperadas, e iniciou-se uma certa conscientização preservacionista que freou o desmatamento. Entretanto, já se considerava o pau-brasil como uma árvore praticamente extinta.
No século XX, a sociedade brasileira descobriu o pau-brasil como um símbolo do país em perigo de extinção, e algumas iniciativas foram feitas no sentido de reproduzir a planta a partir de sementes e utilizá-la em projetos de recuperação florestal, com algum sucesso. Atualmente, o pau-brasil tornou-se uma árvore popularmente usada como ornamental. Se seu habitat natural será devastado por completo no futuro, não se sabe, mas a sobrevivência da espécie parece assegurada nos jardins das casas e canteiros urbanos.
Em 1924, Oswald de Andrade fez um manifesto sobre a nova poesia brasileira intitulado "Manifesto da Poesia Pau-Brasil".
A madeira do pau-brasil pode ser, talvez, a mais valiosa do mundo atualmente; é considerada incorruptível, por não apodrecer e não ser atacada por insetos. Seu uso, dadas a escassez e a proteção, restringe-se ao fabrico de arcos de violinos, canetas e joias.

Curiosidade:
O primeiro contrato comercial para a exploração do pau-brasil foi feito em 1502, o que levou o Brasil a ser conhecido como "Terra Brasilis", ligando o nome do país à exploração dessa madeira avermelhada como brasa. 
Nem ao menos a mais rigorosa das penas, a de morte, prevista no Regimento sobre o Pau-Brasil de 1605, conseguiu inibir a quase extinção dessa madeira pela ação do homem. 

Um livro sobre o Pau-Brasil acaba de ser lançado, comandado pelo conhecido historiador Eduardo Bueno, com a colaboração de vários autores renomados do Brasil e exterior, revelando a importância histórica e econômica do Pau Brasil no país e denunciando a sua extinção. No Parque Nacional do Pau-Brasil, na Bahia, existem menos de 300 árvores catalogadas.
“A razão da extinção do Pau-Brasil é decorrente de ter perdido a importância econômica, já que sua aplicação mais comum hoje em dia é para a produção de arcos de violino, para a qual é considerada insubstituível em termos de qualidade. Por isso, acreditamos que somente os brasileiros plantando mudas poderemos gerar receita e estimular a produção,” afirma Rizzotto.

A árvore símbolo do nosso país é extremamente antiga. Estima-se que sua época áurea foi há 16.000 anos, quando o Brasil estaria repleto de exemplares. Com a chegada dos portugueses, em 1500, logo o Pau-Brasil passou a ser extraído brutalmente para ser vendido na Europa, devido à tinta vermelha que pode ser extraída de sua madeira.
Na maioria das cidades brasileiras não existe mais nenhuma árvore de Pau-Brasil. Eventualmente são encontrados exemplares em alguns lugares. “Nós queremos que as pessoas que possuem essas árvores, ou que sabem da localização de exemplares, nos informem, para que possamos fazer um mapeamento da árvore no Brasil e estimular as prefeituras e a sociedade para identificá-las e contribuir para a conscientização de que não podemos permitir que essa árvore se extingua. Seria um crime histórico”, adverte Rizzotto.
 

Pela Lei nº 6.607, de 7 de Dezembro de 1978, o Pau-Brasil foi declarado Árvore Nacional do Brasil. 


O melhor e único modo de evitar a extinção de diversas espécies é a nossa consciência de que sem a natureza não somos nada....Diga-se de passagem que sem arvores não há oxigênio.
Continue Reading...

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Jarbas Agnelli..Este video é uma prova do quanto podemos nos inspirar na natureza.....

Assim que meus olhos agiram em sintonia com meus ouvidos a emoção ultrapassou todos os limites...
Parabéns Jarbas!!!!!
Um grupo de pássaros pousados em fios da rede elétrica, de forma aleatória!
Para a gente pode até ser, claro que sim....mas para Jarbas como ele disse,é possível ver poesia em qualquer lugar.

Ele visualizou uma seqüência de notas e acordes em uma partitura e pronto transformou a foto em uma das mais belas melodias já criadas.

Continue Reading...
 

Blogroll

Desmatamento leva a extinção de espécies.

Desmatar leva à destruição dos ecossistemas e à extinção das espécies que neles vivem. A Ciência identificou até hoje cerca de 1,4 milhões de espécies biológicas. Desconfia-se que devam existir mais de 30 milhões, ainda por identificar, a maior parte delas em regiões como as florestas tropicais úmidas. Calcula-se que desaparecem 100 espécies, a cada dia, por causa do desmatamento! http://www.poupetempo.com.br Este site trás informações para se adotar um animal.

O Reino dos Bichos Copyright © 2009 WoodMag is Designed by Ipietoon for Free Blogger Template