diHITT - Notícias O Reino dos Bichos: Agosto 2010 BlogBlogs.Com.Br

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

As maravilhas da África.

A copa do mundo acabou e você deve se perguntar:  Mas o que aprendemos sobre o povo africano durante este período?
Se você é daqueles que vão a fundo em um assunto quando ele se torna popular,deve ter ficado impressionado com o tanto de matérias que invadiram as télinhas da TV e as folhas de revistas e jornais pelo mundo afora.
Viu uma abertura digna de primeiro mundo num dos maiores espetáculos da terra.
Já sei o que vai falar ou pensar...o assunto era sempre futebol.

Engana-se.... quem acompanhou algumas manchetes sobre a África, viu ali a cultura de um povo e a sua luta pela sobrevivência.
Viu o peito de uma população sofrida se encher de orgulho,coragem e superação.
Embora em termos financeiros a copa não tenha acrescentado muito ao país de imediato,provou ao mundo que este povo merece nosso respeito.
Então aqui neste espaço, vamos contar pra vocês um pouquinho de uma África que poucos conhecem.
Quer conhecer um país?
Então você tem de ir de encontro a ele.
Que tal irmos a feira africana?
É um turbilhão de emoções,pessoas locais,comidas típicas,produtos únicos e energia de sobra.
Os comerciantes também ficam encantados e fazem de tudo para conhecer seus novos clientes.
A linguagem do comércio é universal e não importa seu idioma.
Duala é a maior cidade dos Camarões está localizada ao leste do país, às margens do Golfo da Guiné, no Oceano Atlântico, exatamente na desembocadura do rio Wouri.
 A cidade é habitada por diversas etnias, além de apresentar uma estrutura social muito marcada.
Uma curiosidade em Duala é o moto táxi (no Brasil algumas cidades de Minas e Mato Grosso do sul,oferecem este serviço),pra mim é um dos transportes mais livres que existe e aqui toda esquina tem motociclistas oferecendo velocidade e preço bom.
Mas se você não gosta de aventura não fique preocupado o táxi convencional também roda por aqui.
Vale dizer que o táxi aqui funciona como uma espécie de lotação ai no Brasil.
É comum vários passageiros num mesmo veículo dividindo a passagem.
Você com certeza ja foi numa feira no Brasil e cara é muito além de tudo que você ja viu por ai.
É muita gente!
Crianças e adultos andam carregando mercadorias na cabeça e da pra encontrar de tudo nestas cestas,
desde mercadorias vivas como, galinhas.
Até remédios,frutas,repolho,cenoura,batatas,vários tipos de alface,etc...
Isto sem falar nas centenas de barracas vendendo abacates,bananas,toranja,melão.
Para citar apenas algumas.....é muita fruta,além de mandioca,arroz e alho importado.
E quer saber?
O preço faz com que você compre muito.
Muitos destes comerciantes se destacam pelas roupas coloridas,trajes conhecidos como, gandouras ou boubous.
Entre estes comerciantes muitos pertencem aos povos hauça e fula.
Uma coisa que surpreende de cara é a venda de carnes nestas feiras (animais recém abatidos),os homens carregam carcaças e vão despejando em mesas. (cena que dói)
Alguns animais são abatidos na hora.
Nesta mesma feira podemos encontrar barracas como aquelas que existem na liberdade(conhecido bairro oriental em São Paulo),parecem restaurantes ao ar livre.(Com direito a musica ao vivo)
Dentre estas barracas existem aquelas que vendem pratos típicos da África e onde há muitas pessoas locais.
É possível saborear um prato de arroz e fufu,um purê de mandioca,banana-da-terra ou inhame e kebabs envolvendo recheios que variam da tradicional carne de cordeiro e peixe.
Outro prato delicioso é o chamado bobotie.
Também é possível comer grelhados de frango,peixe e carne servidos com creme de tomate,quiabo e amendoim e ainda um molho picante.

Tudo isso imaginem tem de ser comido tipicamente...(Antes é servido água para lavar as mãos) sem talheres, com as mãos.
Só mesmo visitando a África para ver de perto a alegria deste povo.
Espero que vocês tenham gostado desta nossa aventura na África.
E ela não para por aqui...
Na próxima postagem vamos falar das savanas africanas.....
Um abraço a todos espero que tenham gostado.
Continue Reading...

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Os morcegos enxergam? Se enxergam,como?


Você já deve ter feito esta pergunta.
 E com certeza ficou muito tempo tentando achar a resposta ou pelo menos ficou com duvida.
Imagine aquele animal parecido com um camundongo,só que com asas voando a toda velocidade na escuridão.
Será que ele tem alguma câmera infravermelha?
A resposta é muito mais complexa.
Eles se guiam através da emissão de ultra-sons, algo que só foi descoberto em 1941. 
E é através destas ondas que os morcegos não só evitam os mínimos obstáculos, mas conseguem localizar as menores presas em pleno vôo.
Por muitos e muitos anos estes animais são alvos de diversos estudos e porque não dizer de fascínio?
E através destas observações e experiências, que a aquisição desta capacidade aperfeiçoou-se somente nas espécies que vivem nas cavernas e se alimentam de insetos, os quais constituem a grande maioria das espécies existentes. 

Eles percebem obstáculos através destas ondas ultra-sônicas que  emitem. Essas ondas batem no obstáculo e se refletem, voltando ao morcego. Ele percebe a distancia que esta do obstáculo de acordo com o tempo que essa onda demora a voltar isto permite ao morcego selecionar e analisar as informações trazidas por eles. O processo é tão rápido que o animal pode fazer ajustes de vôo em frações de segundo, de forma a evitar obstáculos ou detectar aberturas. 
Citando uma experiência feita por um grupo de cientistas americanos que realizou a seguinte experiência: um morcego foi colocado no interior de uma sala completamente escurecida, na qual um grande número de finos fios de aço haviam sido dispostos de parede a parede, em todas as direções. Além disso, uma série de alto-falantes reproduziam caóticamente, no interior da sala, gravações dos sinais sonoros emitidos pelo próprio morcego que sofria a experiência. O número extremamente pequeno de vezes em o morcego, em seu vôo, se chocou contra os fios de aço evidenciou que ele não se confundiu nem mesmo com seus próprios sinais. Quando se cobriam as orelhas do animal ou se tampava sua boca, seu êxito se reduzia ao puro acaso.
O que impressiona é a capacidade que estes animais tem de orientar-se emitindo ultrassons com duração de alguns milisegundos, que ecoam nos obstáculos, ou em pequenos insetos e são captados por seus ouvidos.
Mas voltando a nossa pergunta original,já chegou a uma conclusão?
Não?
Então vamos a sua resposta....sim eles enxergam normalmente,mas apenas quando estão dentro da caverna, ou em locais sem claridade utilizam a ecolocalização (para caçarem insetos e encontrarem seus filhotes dentro das grutas). Segundo o dicionário Michaelis do Milênio Ecolocalização significa: “Processo usado por um animal (um morcego, p ex), para orientar-se e evitar obstáculos, especialmente na escuridão, por meio da emissão de sons de alta freqüência, refletidos por superfícies do ambiente, e que indicam a distância relativa e a direção de tais superfícies.”
Curiosidades:
Você sabia?
Que que eles são altamente generosos? Um morcego chega a alimentar outro morcego doente, sem que exista qualquer grau de parentesco ou amizade e se um deles fica doente e não se consegue segurar na parede de uma caverna, outros seguram-no e permitem que ele durma e descanse até recuperar.

Quirópteros
Os morcegos são também conhecidos como quirópteros, porque os cientistas os consideram tão únicos que os colocaram em um grupo só deles - a ordem Chiroptera, que significa "mãos de asa".

Eles são mamíferos como os seres humanos e mais parecidos com esses últimos do que com os ratos. Se você olhar bem para a asa de um morcego poderá perceber que a última parte da asa é formada por cinco dedos alongados!

Os morcegos são tão próximos dos humanos, que fazem parte do grande grupo dos Archonta - do qual também fazem parte os macacos e lêmures. Isso significa que eles são muito mais "macacos de asa" do que "ratos alados", como normalmente se pensa.



Quirópteros
Os morcegos são também conhecidos como quirópteros, porque os cientistas os consideram tão únicos que os colocaram em um grupo só deles - a ordem Chiroptera, que significa "mãos de asa".

Eles são mamíferos como os seres humanos e mais parecidos com esses últimos do que com os ratos. Se você olhar bem para a asa de um morcego poderá perceber que a última parte da asa é formada por cinco dedos alongados!

Os morcegos são tão próximos dos humanos, que fazem parte do grande grupo dos Archonta - do qual também fazem parte os macacos e lêmures. Isso significa que eles são muito mais "macacos de asa" do que "ratos alados", como normalmente se pensa.

Finalmente, é bom lembrar que os morcegos também cuidam de seus filhotes tão bem quanto os seres humanos e ainda têm o hábito de adotar morceguinhos órfãos. Além disso, por serem os únicos mamíferos capazes de voar, não deixam de ser também nossos representantes dos céus.
Vale lembrar que um dos maiores heróis humanos tem a forma de Morcego "Batman" herói este que também é um mistério até mesmo para seus fãs pois até hoje paira pelo ar a sua criação...
Quem criou Batman?
O desenhista Bob Kane e o escritor Bill Finger ou Frank Foster?

Fontes para a Matéria: Wikipédia/Nossa redação O Reino dos Bichos/USP/Mundo Físico Joinvile UDESC
Continue Reading...

O Ser humano as vezes surpreende....E quando isso acontece!

Muito Legal este video....quando este primata quer ele faz....

Continue Reading...

Um país que é um paraiso.....

Alguns dos lugares Maravilhosos deste nosso Brasil.......


Ponta do Gancho-Ponta da Sapata-Aracaju-Praia da Pipa-Bonito
Ipanema-Pantanal -Cataratas do Iguaçu


Continue Reading...

Você tem curiosidade de saber como se formam as pérolas?


As pérolas são produzidas através de um processo natural. Podem ser encontradas dentro de um molusco que dá pelo nome de ostra. Na verdade é um simples processo de protecção destes animais, ou seja, a forma de se proteger de corpos estranhos que entrem nestes moluscos, para que estes não ponham em risco a sua integridade. As ostras não são os únicos moluscos que podem produzir pérolas: mexilhões e amêijoas (espécies de mariscos) também produzem pérolas, mas esta é uma ocorrência muito mais rara.. É um mecanismo que é utilizado por quase qualquer bivalve. No entanto, apenas as ostras produzem pérolas com o brilho atrativo que faz delas uma peça de joalheria, além de que a maioria das pérolas produzidas por outros moluscos não têm a durabilidade das pérolas produzidas pelas ostras.
As pérolas utilizadas na joalheria são produzidas por duas espécies de ostras diferentes. Ostras de água salgada e ostras de água doce. Não pertencem à mesma família mas têm uma característica em comum. O seu interior é revestido por uma substância chamada nácar, ou como também é vulgarmente conhecido, madrepérola. É este material que constitui a maior parte da pérola. A título de curiosidade, as ostras comestíveis não produzem pérolas.

Como já foi mencionado antes, a ostra é um bivalve, ou seja o organismo encontra-se protegido por duas conchas, chamadas valvas, que são mantidas unidas por um ligamento. As valvas normalmente estão ligeiramente afastadas no ponto oposto ao do ligamento para permitir a entrada de alimentos na cavidade formada pelas valvas.
A ostra possui no seu interior um manto que cobre as valvas. Este manto é chamado nácar (ou madrepérola). À medida que a ostra aumenta de tamanho, também este manto acompanha o crescimento da ostra. Assim, este material tem de estar constantemente a ser produzido pela ostra, sendo criado a partir dos minerais contidos nos alimentos da ostra. Se uma substância estranha entrar dentro da ostra e se instalar entre a concha e o manto de nácar, isto irá criar uma irritação do manto. Como forma de proteção desta irritação, a ostra começa a cobrir este objeto estranho com nácar. Com o passar do tempo são sendo depositadas camadas sucessivas de nácar, o que acaba por ocasionar a formação de uma pérola.
Nem todas as pérolas se saem tão bem assim. Algumas pérolas possuem um formato irregular - estas são chamadas pérolas barrocas. As perolas, como você provavelmente já notou, possuem grande variedade de cores, incluindo branca, preta, cinza, vermelha, azul e verde. A maioria das pérolas podem ser encontradas por todo o mundo, mas as pérolas pretas são nativas do sul do Pacífico. 
As pérolas cultivadas são criadas pelo mesmo processo que as pérolas naturais, mas claro, com uma mãozinha dos criadores. Para criar uma pérola cultivada, o criador abre a concha da ostra e faz uma pequena fenda no tecido do manto. Pequenas irritações são então inseridas por baixo do manto. Em pérolas cultivadas em água doce, cortar o manto da ostra é o suficiente para induzir a secreção de madrepérola que produz uma pérola sem que para isso um corpo estranho tenha que ser inserido.
Apesar das pérolas cultivadas e naturais serem consideradas de igual qualidade, pérolas cultivadas tem geralmente um valor menor, já que não são tão raras.

As lindas pérolas negras são as mais raras pérolas encontradas na natureza. É fato que, para conseguir uma pérola negra você teria que abrir mais de dez mil ostras. 
A ostra de nome Pinctada Margaritifera, popularmente conhecida como ostra-dos-lábios-negros, é a fonte de pérolas negras. Para formar pérolas cultivadas, primeiro o cultivador precisa inserir um núcleo pré-fabricado, feito da concha de outro molusco, dentro da ostra. A ostra vai se irritar e cobrir o núcleo com nácar, mesma substância que ela usa para cobrir a parte interna da concha, resultando na pérola. Os cultivadores geralmente esperam de dois a três anos após a nucleação da pérola antes de colhê-las, durante este período a ostra criará várias camadas de nácar envolta da pérola. Após remover a pérola, o cultivador pode colocar as ostras-dos-lábios-negros novamente na água para que ela se recupere antes da nova nucleação ser feita.

A ostra que cria a pérola negra tende a ser mais delicada que as outras ostras. É difícil levá-las a maturidade e apenas 30% das ostras irritadas irão produzir a pérola. Além disso, essas ostras morrem facilmente e não podem viver em ambientes poluídos, somente as águas mais puras servem para o cultivo da ostra Pinctada Margaritifera.
No início dos anos 60, as primeiras pérolas negras cultivadas era colhidas na Polinésia Francesa e logo as pérolas começaram a ser cultivadas em várias ilhas Polinésias. Hoje, as pérolas são o produto mais exportado na Polinésia Francesa, sendo vital para economia da área.

Existe uma crença popular de que todas as pérolas negras são pérolas taitianas, mas isso não é verdade. Enquanto é verdade que a maioria destas pérolas são vindas do Taiti, as pérolas Pinctada Margaritifera são encontradas em outras áreas do Pacífico bem como na Polinésia Francesa, Ilhas Cook, Japão, Samoa, Filipinas, Tonga, Golfo da California e Panamá. Apenas as pérolas vindas da Polinésia Francesa deveriam ser chamadas de pérolas taitianas, embora muitos erram ao dizer que todas as pérolas negras são taitianas.

Fonte:www.diario-da-tereza.com.br/How stuff Works
Continue Reading...

Freira-da-madeira

 Esta espécie foi capturada pela primeira vez a 18 julho de 1903.
É uma ave da família Procellariidae.
As asas e o dorso são de tonalidade escura, quase preta. O ventre é esbranquiçado. A cauda é de cor cinzenta.
Tem aproximadamente 32 cm podendo viver até os 15 anos, mas só se torna reprodutiva aos 6 anos de idade.
Alimenta-se no mar, mas é nas montanhas que vive a maior parte do tempo, acasala e procria. 
Chegam aos locais de nidificação em Fevereiro/Março e no fim de Maio  põem o seu ovo.Os  filhotes nascem em Julho e em Setembro.Outubro saem dos ninhos.
Nidifica em locais inacessíveis a 1600m de altitude no Maciço Montanhoso Central.
O ninho é escavado no solo pelo que a existência de áreas não erosionadas é vital para a sobrevivência da espécie. Após o período de acasalamento e preparação dos ninhos, as aves vão para o mar onde permanecem, até a altura da postura e incubação. . 
É uma ave endêmica da ilha da Madeira. Esta ave está classificada como criticamente ameaçada e até ao início dos anos 70 era considerada extinta.
A sua população reprodutora é estimada em 80 casais. Habitam o maciço montanhoso central da ilha da Madeira.
Este taxon é considerado, por alguns autores, como sendo uma subespécie de Pterodroma mollis (sensu lato)., contudo estudos mais recentes de ADN demonstram ser uma espécie.
Esta espécie encontra-se listada no Livro Vermelho dos Vertebrados de Portugal com o estatuto de Em Perigo.
 
A principal ameaça a esta espécies prende-se com a predação por parte de ratos e gatos, e eventualmente também por humanos,colecionadores e comerciantes.
A degradação progressiva do seu habitat é um factor que limita a disponibilidade de locais onde pode nidificar.
As ilhas sempre foram particularmente vulneráveis ás introduções de seres vivos. A maioria das extinções de aves ocorreu em ilhas e isto torna-se particularmente grave, se tivermos em conta que 20% das aves do Mundo ocorrem em ilhas e que quanto menor é a ilha, maior é o risco de extinção.
O aumento progressivo da temperatura média anual - os cientistas situam-na entre os 1,4 e os 3,7 graus centígrados até ao final do século - "terá um impacte negativo nos habitats de altitude", prevendo-se uma "tendência para a redução da sua implantação às zonas mais elevadas" e "num dos cenários para o seu desaparecimento no final do século".
 
"Esta redução/desaparecimento poderá levar à extinção de espécies de flora e de fauna associadas, é o caso emblemático da Freira da Madeira", avisa o estudo que visou determinar a sensibilidade do arquipélago da Madeira às Alterações Globais do Clima, no âmbito do CLIMAAT II, iniciativa científica financiada pelo programa comunitária INTERREG III-B.
Já se constatam alguns indícios de possíveis efeitos das alterações climáticas nos ecossistemas do arquipélago da Madeira, nomeadamente na área marítima. Recentemente foi registrado pela primeira vez o aparecimento de duas novas espécies de crustáceos decápodes: um caranguejo, Platypodiella picta e um camarão, gnathophyllum americanum, observa o estudo, lembrando que "em ambos os casos, com estes aparecimentos, foi registrado um novo limite Norte no Oceano Atlântico Oriental para a distribuição destas espécies".
Também no que toca aos mamíferos marinhos, é do conhecimento dos autores que têm sido "avistadas duas novas espécies de baleia para a área da Madeira, B. borealis e B. edeni, bem como um aumento do número de baleias que utilizam estas águas, podendo estar a começar a utilizá-las não só como rota migratória mas também como área de reprodução e criação" nas águas madeirenses.
Convém ainda recordar que uma investigação promovida pelo Centro de Ciências do Mar do Algarve (CCMAR), dada a conhecer pelo DIÁRIO em Maio último, culminou com a descoberta de oito novas espécies de gastrópodes, na Madeira. Conduzido pelo investigador Peter Wirtz, ex-docente da UMa, este estudo decorreu ao longo do ano 2005 e, na opinião deste investigador, a presença destes animais está relacionada com o aquecimento global.
Uma das espécies encontradas - um caracol de grande dimensão - dá pelo nome de "Architectonica nobilis" e tem sido avistado na zona do Caniçal.
No mundo inteiro espécies estão ameaçadas e estima-se que cerca de 1 milhão podem cair na extinção até 2050.
O que estamos esperando para agir? 
Lembre-se esta atitude de mudança pode começar de um ato isolado e contagiar outras pessoas,ir crescendo e aos poucos passando a grupos e quem sabe um dia se tornar um habito global.

Continue Reading...

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Um dos melhores artigos que já li....Texto de Marcio Valle

 Do Site 91 Rock

                                            O melhor gato do mundo


Nas férias de janeiro de 1996, eu tinha 15 anos. Estávamos na Praia dos Amores, ao lado de Bal. Camboriú, em um Resort. Tudo estava bem, até que avistamos alguns moleques maltratando um animalzinho.
Era um gatinho, quase que recém nascido. Preto e Branco, conhecido como “gato vaquinha”.
A idiotice do ser humano era tanta, se é que posso chamá-los assim, que eles subiam até a varanda do restaurante e jogavam o gatinho na piscina. Pobre animal indefeso.
Diante daquilo, os repreendemos e recolhemos aquele gatinho para nosso quarto. Demos leite e carinho para ele.
Quando saíamos, deixávamos ele solto, afinal, não sabíamos de quem era tal animal. Mas quando voltávamos, estava ele, lá, na porta do quarto, nos esperando.
Eu tinha na época uma opinião formada sobre isso. Não achava justo tirar o animalzinho do seu habitat. Ele poderia ser de alguém, poderia ter outros gatos por ali. Mas ao mesmo tempo sabia que não era justo deixá-lo lá. Então trouxemos para casa.
Demos a ele o nome de Biju.
E que gato sapeca era aquele. Corria, pulava, brincava. Ele trouxe para nossa casa algo que eu nunca tinha experimentado, pois sempre gostei mais de cachorro. Já tive vários e ainda tenho. Mas gato era a primeira vez.
Do colégio para o cursinho. Do cursinho para a faculdade. Da faculdade para a pós graduação, para o curso de fotografia. Para a vida profissional. E durante 13 anos da minha formação, este gatinho esteve presente na minha vida.
Já fui buscá-lo no apartamento do vizinho, pois ele passou pela sacada, por pouco não caiu 17 andares.
Foi há 5 anos atrás que descobrimos a diabetes. No início, dois comprimidos por dia. Que eram amassados e misturados com atum light. A ração dele também passou a ser especial.
Depois, com a resistência do comprimido, passou a tomar duas doses de insulina por dia. De manhã e à noite, sempre alguém pronto para atender as necessidades do bichano.
Mas mesmo com toda essa atenção, as vezes ele tinha crises de hipotermia. Lá vai ele para o veterinário.
Ano passado então, chegou a ficar internado. Achávamos que ele já tinha vivido 12 anos e que chegara sua hora. Que nada.
Gatinho guerreiro voltou pra casa. E viveu por muito mais tempo. Até que exato um mês atrás, ele parou de se alimentar como deveria.
Ficou internado novamente, tomou soro, mas não adiantava. Comia muito pouco e sem comer, não poderia tomar a insulina. De 10 Kg passou para 6 em menos de um mês.
Já andava pouco. Os seus dias estariam contados…
Hoje, 19 de outubro de 2009, já sem forças pra miar, para andar, resolvemos que viver daqui pra frente para ele seria um sofrimento. Que decisão difícil! Decisão tão adiada por inúmeras vezes, dessa vez não deu mais para esperar. Era chegada a hora.
Sei que muitas pessoas perdem seus animais de estimação e dizem que nunca mais querem ter. Eu já perdi vários cachorros, o gatinho e posso dizer que a dor da perda, é infinitamente menor do que todo o tempo de alegria, carinho e amor que o animal de estimação traz para nós, humanos.
Seja lá o que for que você acredite, ou não acredite, eu sei que nossa existência não termina aqui ( e seria muita presunção achar que o universo conspira ao redor do ser humano). E eu sei que essas criaturinhas também devem ter um lugar reservado pra elas. O melhor amigo do homem, a melhor companhia que alguém pode ter são eles. Cães, gatos, seja lá qual animal você tiver.
Eu estou escrevendo isso aqui, não é pra ninguém. Porque sei que isto só interessa a mim. Eu to escrevendo isso aqui para o Biju. Ele sabe o quanto nós o amamos. E quantas vezes eu disse isso a ele. Mas não podia deixar de dizer o quando esse gatinho foi importante pra mim nesses 13 anos.
Biju, muito obrigado por tudo. Você cumpriu exatamente a sua missão de gato. E eu vou te agradecer pelo resto da minha vida. Porque vou lembrar de você pra sempre. Biju, eu amo você!

Fonte: http://91rock.com.br/observador/2009/10/19/biju-eterno-o-melhor-gato-do-mundo/
Continue Reading...

Rapidinhas do Reino...Joss Stone defensora dos animais é atração do SWU


Joss Stone que já ganhou a nomeação de melhor dona de cão do mundo entre as celebridades em 2005, é atração do SWU no Brasil agora em Setembro.  
Recentemente a cantora posou nua para uma campanha da PETA, organização internacional de defesa dos direitos dos animais. 
Segundo uma fonte próxima da cantora...   "Ela detesta o fato de os ursos negros canadenses serem chacinados para que a sua pele seja utilizada na confecção dos chapéus cerimoniais dos guardas da Rainha. Por essa razão, decidiu despir-se para a campanha".
Há muito tempo ela é conhecida como uma grande defensora dos animais e já participou de várias campanhas em prol do bem dos bichinhos.
Três dos seus cinco gatos – Louboutin, Mr. Choo e Vivienne Westwood – ela resgatou da rua.
“Eu estava dirigindo pela estrada e eles estavam por toda parte! Então paramos o carro e pegamos todos os gatinhos que conseguimos achar e os levei para casa.”

Fonte:Joss Stone BR/Tribuna de Macau
Continue Reading...

Nossa Homenagem ao Aventura Selvagem de Richard Rasmussen....


 Richard Rasmussen é o Biólogo apresentador mais famoso do Brasil.
No SBT a Frente do Aventura Selvagem conquista de vez o seu espaço e o respeito merecido.

Com um programa divertido e informativo,Richard mantém os telespectadores vidrados na telinha...... e pasmém seu publico não tem idade,do jovem ao idoso todos são unanimes.Tem Richard na telinha!Lá vamos nós!

Aqui mesmo entre a turma do O Reino não tem um que não veja o Aventura e na Sexta e no Domingo,somos fãs de carteirinha e talvez entre os grandes ansejos da galera aqui esteja fazer uma entrevista com o Richard.
Enquanto isto não acontece,vamos falar um pouco deste que é um dos heróis brasileiro da atualidade.
Em 2005 começou a apresentar o quadro “Selvagem ao Extremo” na TV Record.
Nasceu em 15 de fevereiro de 1970,se formou em economia pela USP e concluiu Biologia na UNIB.
Morou em uma chacará em São Roque até os 10 anos o que influenciou e muito na sua escolha futura.

Em uma de suas frases ele comprova isso.
Sem dúvida este contato com os animais domésticos da chácara e os silvestres da mata foi determinante em meu processo e minhas escolhas


A partir dos 12 anos de idade Richard começa à viajar com seu avô, se aventurando pelas matas brasileiras.
Dedicou-se à construção de um criadouro conservacionista "Casa da Tartaruga", e por mais de 8 anos Richard junto à outros biólogos aprendeu na prática boa parte do que apresentou em seu quadro Selvagem ao Extremo apresentado na Rede Record em 2005.
" Cara eu não perdia um programa,que na época era apresentado como quadro dentro do Domingo espetácular." Allex Nascimento   Redator do Blog.

Não precisa falar que o quadro em pouco tempo se tornou um sucesso na emissora.
Hoje ele tem um Programa só seu " Aventura Selvagem" e cada vez mais fãs pelo Brasil e por que não dizer pelo mundo afora visto que o programa é atração também fora do país.
Uma linguagem facil de ser entendidsa deicha o espectador muito próximo do apresentador....como ele mesmo costuma dizer...Olha só pra esse cara......
Richard também participa de projetos ambientais e palestras por todo o Brasil.
Veja alguns links do nosso herói!
Ah..vale lembrar que você pode conhecer ainda mais do Richard em seu livro " As aventuras do Richard"
Nele tem tudo sobre a vida deste autentico amante da natureza.

O livro é repleto de ilustrações, imagens de bastidores e ficha técnica de diversos bichos raros, exóticos e peçonhentos,alé, dos momentos mais marcantes das viagens em busca de animais exóticos, realizadas pelo biólogo.  O próprio biólogo conta com detalhes como foram suas viagens pela Amazônia, Pantanal, Cerrado, litoral brasileiro, deserto peruano e Patagônia argentina.

http://www.aventurasdorichard.com.br/#
http://www.sbt.com.br/aventuraselvagem/
Continue Reading...

Continue Reading...

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Eles são Lindos....A Natureza conserva sua beleza e ensina com gestos simples....

Continue Reading...

Alerta! Novamente falamos sobre o Pinguim Imperador...

Pinguim imperador em vias da extinção
 
Devido ao degelo ou seja o decréscimo de massa glacial nas zonas do seu habitat natural e ao aquecimento global provocado pelo efeito de estufa esta espécie pode entrar em extinção até o final do século.

A expectativa é que a população reduza de 6 mil para 400 casais de pinguins até 2100, um declínio de 93%.



Os pinguins-imperadores dependem da fina camada de gelo que se forma sobre o oceano Antártico para se reproduzir e se alimentar. As colônias são formadas nesses bancos de gelo, para que os pinguins possam realizar viagens ao mar aberto em busca de alimentos durante o período de incubação dos ovos e de criação dos filhotes.


Caswell lembra que a extinção dos pinguins-imperadores não será é um efeito isolado do aquecimento global e trará consequências para todo o ambiente.


“As mudanças climáticas não afetarão somente espécies, mas ecossistemas inteiros”, alerta. “Entender esses efeitos é um desafio prioritário para ecólogos de todo o mundo.”
Continue Reading...

Chapada dos Guimarães

 Uma maravilha da Natureza

A cidade de Chapada dos Guimarães ja foi considerado o maior município do mundo, devido ao seu território anterior com cerca de 269 mil km². O município de Chapada dos Guimarães deu origem a municípios como Alta Floresta, Colíder, Sinop, Nova Brasilândia, Paranatinga e outras. Possui vários pontos turísticos como, por exemplo, o Parque Nacional da Chapada dos Guimarães, com cachoeiras, cavernas, lagoas e trilhas em meio a natureza típica de cerrado, vegetação predominante na cidade.
 Considerada uma cidade turística e situada a 860 metros de altitude em relação ao nível do mar, é composta de: 46 Sítios Arqueológicos; 02 Sítios Paleontológicos; 59 Nascentes; 487 Cachoeiras; 3.300 km² de Parque Nacional; 2.518 km² de Área de Proteção Ambiental; 02 Reservas Estaduais; 02 Parques Municipais; 02 Estradas Parque; 157 km de Paredões; 42 Imóveis Tombados pelo Iphan; 38 Espécies Endêmicas O artesanato local é uma das referências na cidade, com vários artesões locais que chegaram ou nasceram na cidade e, que ali, foram crescendo e vivendo do artesanato, que é exposto em praça pública de terça-feira a domingo para os habitantes e turistas. Existe um projeto de uma "Rua do Artesanato", que visa criar um local específico para os artesões, mas nada projetado ainda. Além de todas estas opções, o município conta com o turismo nos dias mais frio do ano, quando a temperatura pode diferir-se até 5°C para menos, da próxima capital Cuiabá.

A cidade Chapada dos Guimarães nasceu com a função de abrigar e catequizar os índios de diversas nações, coibindo suas incursões predatórias contra os "colonizadores", a região já cultivava a cana-de-açucar, produzia aguardente e alimentos para abastecer Cuiabá e as áreas garimpeiras, usando mão de obra escrava.
E se oficializou como aldeamento em 1751.


 O clima de Chapada dos Guimarães é o tropical de altitude ou subtropical (Cwa). No início da primavera começa o período chuvoso que se estende até o início de abril, que é o período de calor. A partir deste período, no outono, inicia-se gradativamente a estiagem, que se fortifica no inverno. É nestas duas estações que as frentes frias e incursões polares mais significativas do ano chegam à região. O clima passa a ser frio à noite e ameno/pouco quente durante o dia. As geadas são raras, registrando-se a cada cinco anos. Temperaturas negativas são muito raras, em média uma a cada dez anos. Chapada dos Guimarães possui o recorde de menor temperatura do estado de Mato Grosso, -4,0°C no dia 18 de julho de 1975.


O Parque Nacional de Chapada dos Guimarães é um dos lugares mais belos do Brasil. Aliás, belo é isenção jornalística, o lugar é mesmo deslumbrante, cinematográfico. Ao todo, são 33 mil hectares de cachoeiras, paredões e mirantes.

a falta de consciência turística dos visitantes ainda é um problema para o Parque. O lixo, a depredação e a exploração imobiliária fazem estragos, mas ainda não conseguiram roubar de Chapada dos Guimarães o seu ar selvagem, intocado. Ainda.


Fontes: Wikypédia/Cuiabá na copa/SP News/Navegador MT
Continue Reading...

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Nossa homenagem aos 30 anos do projeto TAMAR...

Para homenagear esta grande iniciativa que completou 30 anos usamos textos que estão na pagina do próprio projeto.

O Projeto Tamar-ICMBio foi criado em 1980, pelo antigo Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal-IBDF, que mais tarde se transformou no Ibama-Instituto Brasileiro de Meio Ambiente. Hoje, é reconhecido internacionalmente como uma das mais bem sucedidas experiências de conservação marinha e serve de modelo para outros países, sobretudo porque envolve as comunidades costeiras diretamente no seu trabalho sócio-ambiental.
Pesquisa, conservação e manejo das cinco espécies de tartarugas marinhas que ocorrem no Brasil, todas ameaçadas de extinção, é a principal missão do Tamar, que protege cerca de 1.100km de praias, através de 23 bases mantidas em áreas de alimentação, desova, crescimento e descanso desses animais, no litoral e ilhas oceânicas, em nove Estados brasileiros.
O nome Tamar foi criado a partir da combinação das sílabas iniciais das palavras tartaruga marinha, abreviação que se tornou necessária, na prática, por conta do espaço restrito para as inscrições nas pequenas placas de metal utilizadas na identificação das tartarugas marcadas para diversos estudos.
Desde então, a expressão Tamar passou a designar o Programa Brasileiro de Conservação das Tartarugas Marinhas, executado pelo Centro Brasileiro de Proteção e Pesquisa das Tartarugas Marinhas-Centro Tamar, vinculado à Diretoria de Biodiversidade do Instituto Chico Mendes da Biodiversidade-ICMBio, órgão do Ministério do Meio Ambiente. 
O Projeto Tamar/ICMBio é co-administrado pela Fundação Centro Brasileiro de Proteção e Pesquisa das Tartarugas Marinhas-Fundação Pró-Tamar, instituição não governamental, sem fins lucrativos, fundada em 1988 e considerada de Utilidade Pública Federal desde 1996.
A Fundação foi criada para executar o trabalho de conservação das tartarugas marinhas, como responsável pelas atividades do Projeto Tamar nas áreas administrativa, técnica e científica; pela captação de recursos junto à iniciativa privada e agências financiadoras; e pela gestão do programa de auto-sustentação. Essa união do governamental com o não-governamental revela a natureza institucional híbrida do Projeto.
O Tamar conta com patrocínio nacional da Petrobras, apoios e patrocínios regionais de governos estaduais e prefeituras, empresas e instituições nacionais e internacionais, além de organizações não-governamentais. Mas é fundamental, sobretudo, o papel das comunidades onde mantém suas bases e da sociedade civil em geral, que participa e ajuda o Projeto, individual ou coletivamente. 
O Projeto Tamar/ICMBio está presente em nove Estados brasileiros (Bahia, Sergipe, Pernambuco (Fernando de Noronha), Rio Grande do Norte (Atol das Rocas), Ceará, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo e Santa Catarina), protegendo cerca de 1.100 quilômetros de praias, através de 23 bases de pesquisa mantidas em áreas de alimentação, desova, crescimento e descanso desses animais, no litoral e nas ilhas oceânicas.


Eram os últimos anos da década de 70. Até então, não havia registro de qualquer trabalho de conservação marinha no Brasil. Mas as tartarugas já integravam a lista das espécies em risco de extinção. Estavam desaparecendo rapidamente, por causa da captura incidental em atividades de pesca, da matança das fêmeas e da coleta dos ovos na praia.
No sul do Brasil, um grupo de estudantes cursava os últimos anos da Faculdade de Oceanografia da Universidade Federal de Rio Grande e organizava expedições a praias desertas e distantes, de preferência aonde ninguém houvesse chegado antes. O importante era desbravar, descobrir, pesquisar, conhecer o litoral do Brasil e as ilhas oceânicas. Ao mesmo tempo, o grupo fazia pesquisa dirigida, com o apoio do Museu Oceanográfico de Rio Grande.

  Nos dias e noites em que ficaram no Atol das Rocas, ao amanhecer encontravam rastros e muita areia remexida na praia. Mas não se davam conta de que a mudança no cenário era produzida pelas tartarugas que subiam à praia para desovar, durante a madrugada. Em uma noite dessas, os pescadores que acompanhavam os estudantes mataram onze tartarugas de uma só vez. A imagem foi chocante para os que assistiram à cena, devidamente fotografada.
As expedições acabaram servindo de alerta para a necessidade urgente de proteção do ecossistema marinho. Foi assim que a Faculdade de Oceanografia, onde ainda não se falava em conservação, acabou formando uma geração pioneira de ambientalistas no país, pois todos passaram a se dedicar profissionalmente à conservação marinha. 

Fonte: www.projetotamar.org.br
PARABÉNS PELOS 30 ANOS!
Continue Reading...
 

Blogroll

Desmatamento leva a extinção de espécies.

Desmatar leva à destruição dos ecossistemas e à extinção das espécies que neles vivem. A Ciência identificou até hoje cerca de 1,4 milhões de espécies biológicas. Desconfia-se que devam existir mais de 30 milhões, ainda por identificar, a maior parte delas em regiões como as florestas tropicais úmidas. Calcula-se que desaparecem 100 espécies, a cada dia, por causa do desmatamento! http://www.poupetempo.com.br Este site trás informações para se adotar um animal.

O Reino dos Bichos Copyright © 2009 WoodMag is Designed by Ipietoon for Free Blogger Template